Aniversário de 10 anos da Apple Store

03/08/2018

Escrito por Mariana Ratão


Neste Julho a App Store completou 10 anos. Em 2008 não éramos "mobile"!

A App Store foi embrionada no conceito da iTunes Store, espaço virtual do iPod. O iPod - o produto mais arriscado da Apple - comercializado pela primeira vez em 2001, revolucionou a maneira como a música era utilizada por nós. Presos aos CDs e bibliotecas organizadas manualmente no computador, estávamos livres da imobilidade: a música poderia ser comprada em apenas um clique.

Ok, havia o walkman...e o discman... Mas perto do iPod - que suportava 1000 músicas em um aparelho - viraram peso morto.

Do mesmo modo a tecnologia disruptiva do iPhone transformou o segmento e destronou a Nokia no mercado de telefonia em 2008. O branding de Steve Jobs tornou o smartphone desejável e exclusivo. A App Store contava com funcionalidades móveis restritas aos usuários Apple, circunstância que mudou lentamente após o surgimento dos utilitários para sistemas operacionais Android.

No início da era dos apps se explorava ao máximo a possibilidade do uso do touchscreen. Mesmo que não aceitasse aplicações em Adobe Flash, a categoria "mais rentáveis" era dominada por... jogos! O "pinch" - zoom da tela com dois dedos - habilitava o iPhone a ser um videogame portátil.

Mas o Orkut, a principal rede social até então, era nativa do habitat desktop. Mark Zuckerberg abateu o Orkut conectando os jogos aos amigos.


Quem se lembra de migrar de rede social com o "Farmville", o jogo que atraiu milhões para o Facebook?

A exuberância dos primeiros apps deu lugar aos players de música - Pandora Radio, Shazam, AOL Radio, Lastfm; e redes sociais - MySpace, AIM, Loopt, Earthscape.

Mídias sociais que são desconhecidas hoje, BeejiveIM e MobileChat eram os mais rentáveis na categoria pagos. O Twitter e Facebook são os grandes sobreviventes dos primórdios da Apple Store; o Youtube, comprado pela Google em 2006, conseguiu permanecer no rol dos mais acessados.

Em um hardware diferente, os novos aplicativos eram adaptações do que possuíamos no computador. As empresas de software - principalmente a Google - aos poucos se adaptaram à ideia do que seriam serviços verdadeiramente "móveis". Muito do que usamos atualmente em nossos smartphones estão longe do que existe somente na tela do computador - Instagram, Snapchat, WhatsApp, Tinder. Os serviços de streaming Youtube e Spotify - se transformaram em redes sociais.

A App Store e seu maior concorrente, a Play Store, fazem da criação mobile um setor à parte no desenvolvimento web. Waze e Uber não fariam sentido nos anos 90, a era do computador pessoal. Estas tecnologias de vanguarda se criam ao redor da ideia de que o dispositivo se encontra sempre em movimento - o gadget smartwatch é a evolução do relógio de pulso integrado ao celular.

Mais do que uma maneira de acessar a internet, o que utilizamos hoje molda o nosso diário - os apps se tornaram pedaço indispensável de nossa vida interior. Tudo passa por eles. O tom em 2018 quanto ao controle da informação é de preocupação, visto o recente debate sobre a possível interferência externa nas eleições americanas de 2016. O escândalo envolvendo o vazamento de dados do Facebook para a Cambridge Analytica e a censura em paǵinas ditas "fake news" na plataforma angariaram multas para as mídias sociais.

Retomando ao tempo em que o epicentro de nossas vidas não era o smartphone, as desenvolvedoras de software trazem ao mercado ferramentas para quem gosta... ou precisa... se desprender do hábito "scrolling".

As iniciativas Google Wellbeing e Apple's Screen Time - gerenciadores de tempo - chegarão aos consumidores neste ano, facilitando para o usuário o bloqueio de notificações indesejadas e controle do conteúdo visualizado. O Wellbeing consegue travar aplicativos, enquanto o Screen Time facilita a vida dos pais com um melhor controle parental no dispositivo.

Quem nunca viu os famosos "Disponível na App Store" e "Disponível na Play Store"? São onipresentes - mudaram nossa forma de pensar, como andamos, nos comunicamos, pedimos comida, usamos serviços bancários... e até como contamos histórias e amamos.

Em 2018, as orientais Samsung, Xiaomi e Huawei possuem juntas o dobro do market share mobile da Apple - mas nenhuma delas jamais estaria aqui sem Steve Jobs ter subido ao palco da Macworld naquele 9 de Janeiro de 2007.



Ontem foi vencimento de opções no Brasil. Para observadores distantes, tudo se passou como um "non-event", com os mercados exibindo uma calmaria condizente com um período marcado por recesso em Brasília e férias no hemisfério norte. Já para alguns participantes mais ativos, o colapso na volatilidade implícita associada aos contratos de opções de...