Diversificação vs. Concentração

16/02/2018

Há uma certa adoração pela "diversificação" quando o assunto é investimentos. Muitos especialistas até se referem a este ato como o único "almoço grátis" no mercado. Entretanto, este conselho, quando relacionado a investimentos, está associado ao fato de que investidores acumulam patrimônio de alguma forma produtiva e vem ao mercado de ações com objetivo de fazer com que este cresça a taxas acima do mercado por um longo período. Nestes casos, ter uma carteira de ações diversificada com ações de setores com baixa correlação, é de fato algo que tende a contribuir em direção a este objetivo de crescimento. Agora, e quando você ainda não tem tal patrimônio acumulado? O processo de acumulação de patrimônio normalmente está associado a uma atividade na qual temos enorme grau de concentração; seja ela o nosso trabalho, ou nosso "negócio". Muitos não veem seu emprego como um negócio, porém, isso é um equívoco. Assim como o empreendedor pode quebrar, o empregado pode perder seu emprego. A relação risco/retorno tende a ser bem mais favorável ao empregado do que ao empreendedor, ainda mais se o primeiro desfrutar de uma atividade prazerosa e bem remunerada. Trago este tópico, pois tanto Ed Thorp como Warren Buffet, famosos hoje em dia como investidores bem diversificados, revelam um alto nível de concentração no início de suas respectivas carreiras. Empreender dentro do mercado de ações, entretanto, é uma tarefa árdua, dado o elevado nível de competitividade do mercado. Isso, assim como em outras atividades competitivas, é para poucos, e envolve uma alta taxa de mortalidade. Muitas vezes nos impressionamos com aqueles que se destacam, nos esquecendo daqueles que ficaram pelo meio do caminho; é o tal do viés da sobrevivência, ou em inglês, "survivorship bias". De qualquer forma, o meu ponto ao fazer este comentário é pontuar que, normalmente, caminhamos da "concentração" para a "diversificação". Dependendo de seu momento de vida, estar concentrado em uma atividade, ou mesmo em um investimento, pode ser o mais sensato. É preciso, entretanto, ter consciência dos riscos envolvidos e caminhar em direção a uma maior diversificação. Ajuda muito colocar tudo isso por escrito, pois, muitas vezes, com o passar do tempo, esquecemos que aquele objetivo traçado lá atrás já fora alcançado.

Marink Martins