Powell ain't Tombini!

20/12/2018

Teria o S&P 500 se valorizado nessa tarde de quarta-feira caso o presidente do FED, tivesse não só elevado a taxa de juros como fez, mas também tivesse sinalizado que ficaria on hold, esperando por mais dados econômicos?

Possivelmente sim, pelo menos essa era a expectativa do mercado, dado que o mercado já subia bastante em antecipação a um evento como esse. Mas na verdade não temos como saber. A minha intuição me diz que o mercado cairia também.

O ponto que eu gostaria de passar para você, é que achei a decisão extremamente sensata - fiquei mais encorajado com a política monetária norte americana dado a sua transparencia e seu nível de independência.
Mais importante do que o comunicado em si foi a sessão de perguntas e respostas que se seguiu a reunião. Steve Liesman, economista chefe da CNBC, perguntou a Powell se no processo decisório foram levadas em consideração: uma queda nos mercados, a relevância da guerra comercial sino americana, e a pressão política feita por Trump.

Powell respondeu que, sim, a queda foi levada em consideração, que em relação à guerra comercial ainda não vemos dados que indicam uma desaceleração econômica, e que o FED se mantêm independente e comprometido com o dual mandate - manter a inflação estável e o desemprego mais baixo possível.

Powell também explicou que o FED considera que a economia continuará crescendo e que a taxa de desemprego que deve cair para 3,5%.

Na minha análise, o mercado vem caindo por um processo de acomodação, onde o mercado ficou mal acostumado com uma certa "put" do FED.

E, no momento, vemos um FED agora comprometido não em frear a economia, mas simplesmente criando um espaço maior para que, eventualmente, caso haja de fato um processo recessivo para 2020, que ele possa usar suas ferramentas de política monetária.
Confira no vídeo!

Marink Martins