Olá investidor, seja bem-vindo ao MyVOL!


No vídeo abaixo (em inglês) o estrategista Raoul Pal descreve como pode vir a ser a chegada de um cenário econômico recessivo nos EUA. 


Abaixo temos um gráfico ilustrando o volume de dólares depositados no FED em nome dos diversos bancos centrais. Curiosamente, em momentos em que há uma redução em tais volumes observou-se uma crise financeira em algum lugar do globo.

Tony Seba é professor da Stanford University e autor do livro "Clean Disruption of Energy and Transportation". Dediquei um episódio da série MyCAP Tendências Globais - episódio #5 - para comunicar suas expectativas relacionadas ao sistema de transporte global.

No começo do ano escrevi um texto cujo título era "Não há AÇÃO sem dono!". Neste defendi a tese de que a vinda dos investidores estrangeiros não deveria ser encarada como uma certeza, e que tal fluxo dependeria da precificação da bolsa brasileira.

Ao longo dos últimos doze meses o ouro, medido pelo ETF GLD, se apreciou 19% - rivalizando com o índice S&P 500 (+17%) e com o Ibovespa em reais (+23%). Seu ápice no período foi registrado no fim de agosto, um mês marcado por um receio de que a economia global entraria em recessão. Nos últimos dois meses, entretanto, a...

Tony Seba é professor da Stanford University e autor do livro "Clean Disruption of Energy and Transportation". Dediquei um episódio da série MyCAP Tendências Globais - episódio #5 - para comunicar suas expectativas relacionadas ao sistema de transporte global.

Embora a minha atuação no mercado tenha um horizonte de tempo relativamente curto, tenho um objetivo de longo prazo bem definido: crescer através da estratégia de dynamic hedging em diversos ativos. Hoje, coloco em prática esta atividade fazendo uso de dois ativos (Petrobras e BOVA11), mas, quem sabe, no futuro eu possa ampliar as alternativas.

Acesse a série especial E agora Petrobras? Esta série contem 12 episódios onde discuto diversos temas, desde expectativas associadas ao comportamento das ações da Petrobras assim como temas relacionados ao mercado de petróleo, e outros.

Gary Cohn atuou por 27 anos pelo Banco Goldman Sachs até ser convidado por Donald Trump para ser seu National Economic Council. Nesta entrevista concedida a Stephen Dubner, do Freakonomics, Cohn nos revela o que de fato provocou sua saída do governo.


Faça uma busca nas análises do MyVOL: