A hora da verdade para o IBOV!

17/04/2018

Entramos em uma fase divergente no que diz respeito ao comportamento do Ibovespa vis-a-vis o comportamento do S&P 500.

O primeiro perdeu seu ímpeto devido as incertezas em torno das eleições presidenciais e a divulgação de indicadores relativamente fracos de retomada da economia brasileira. Já o segundo parece ganhar força à medida que as empresas americanas divulgam seus melhores resultados trimestrais de todos os tempos.

Vivemos nos EUA um período de "peak-earnings"; isto é, um período onde o crescimento na lucratividade tende a atingir seu ápice. Estima-se que o crescimento do lucro por ação das empresas que integram o índice será de 19% em 2018, caindo para 10% em 2019. Tal expectativa vem contribuindo para um cenário mais estável mesmo diante de incertezas políticas relacionadas a guerra comercial com a China e uma maior possibilidade de intervenção regulatória em empresas de mídia como a Facebook e a Google.

Enquanto isso, no Brasil o sentimento já é mais sombrio. Após um começo de ano de elevada empolgação - entraram US$7 bi oriundos de capital estrangeiro na B3 - os agentes estão acordando para a dura realidade do cenário político-econômico brasileiro. Aos poucos nota-se que o ajuste fiscal de curto prazo é 100% dependente de receitas não-recorrentes e que a retomada da economia nada mais é do que uma retomada cíclica, ou, como os americanos gostam de chamar, um "dead-cat bounce". E o pior é que as perspectivas de elegermos um líder que tenha força para promover as reformas necessários em 2019 parece remota.

Diante disso, há o perigo no Brasil de uma reversão de expectativas que poderá fazer com que investidores institucionais e pessoas físicas, frustrados com o fraco desempenho econômico, resolvam reduzir suas exposições a bolsa, e com isso contribuam para um movimento de queda ainda mais expressivo. 

Marink Martins

Em épocas em que a moeda de um determinado país está forte, é quase certo que o consumo dos seus cidadãos tende a crescer de forma significativa, até mesmo gerando algumas situações que podem ser vistas como abusivas. Muitos brasileiros hão de se lembrar de abusos observados em aeroportos internacionais durante aquele período ao redor de 2010 em...

Espera-se que quanto mais importante e maior for um determinado ativo, maior será o escrutínio por parte dos analistas envolvidos. Assim, é natural esperar que empresas cujas capitalização de mercado supere 1 trilhão de dólares se comporte de forma menos volátil exibindo assim uma maior previsibilidade.

Estaria o mercado de ações norte-americano precificado de forma a refletir um pouso suave perfeito? Penso que este é o questionamento do momento.

www.myvol.com.br