A tirania dos "benchmarks"

31/07/2018

Nesta segunda-feira o índice S&P 500 caiu 0,58%, uma variação percentual dentro da normalidade. Mesmo assim, para aqueles sintonizados na mídia internacional, a impressão era de que algo muito mais grave estivesse ocorrendo.

Pudera! As ações "queridinhas" estavam caindo forte. Olhe para tabela acima, e verá nomes reconhecidos globalmente, como Amazon, Microsoft, Apple, Visa, Boeing, Mastercard, JP Morgan e outras. O que há em comum com as empresas desta lista?

Bem, uma série de atributos: valor de mercado, valor da marca, grau de atuação global, e muitos outros. Mas, para efeito de mercado e deste texto que aqui escrevo, a razão pela qual elas estão agrupadas nesta lista, é o fato delas representarem o top 10 do índice de "momentum" de um índice de referência (em inglês, "benchmark) da MSCI.

Você provavelmente já conhece a empresa MSCI como uma grande estruturadora de diversos índices de mercado. O próprio EWZ, tão conhecido dos brasileiros, é um fundo de índice (ETF) administrado pela maior empresa de gestão passiva do mundo, a BlackRock.

Bem, assim como o EWZ reflete uma uma carteira que consiste de ações brasileiras, o MTUM reflete uma carteira que consiste de ações que exibem um elevado "momentum" medido com base nas respectivas variações de preço de seus componentes em um período de 6 a 12 meses.

E o que é "momentum"? É um termo oriundo da física que, quando trazido para o ambiente de mercado, denota uma tendência de que algo que está dando certo continuará a manter a sua trajetória. De forma análoga, algo que está dando errado tenderá a fazer o mesmo.

O que observamos nos últimos dias nos EUA é que desde as quedas nos preços das ações do Facebook, Twitter e Netflix, as tais "queridinhas" começaram a decepcionar. Hoje, em particular, tais ações, em conjunto, registraram uma queda de aproximadamente 1,8%, quase 3x a queda do índice S&P 500. Mas, por que isso?

Bem, diante da queda expressiva registrada pelas ações da Facebook, o ETF MTUM acabou caindo, e tal processo, acabou desencadeando um movimento mais intenso de venda. Afinal, o conceito de "momentum" é justamente esse: sobe intensamente, e cai da mesma forma. 

Por tudo isso, não importa muito o fato de que a Microsoft veio com um excelente resultado nos últimos dias. Suas ações acabam sofrendo devido a este efeito de indexação.

Em síntese a mensagem que busco transmitir é a seguinte: Em momentos de adversidade, seja este em um país, ou em um setor específico, as correlações entre os preços de seus componentes tendem a subir bastante. Em casos extremos, como aquele visto há 10 anos na crise de 2008, as correlações setoriais se aproximaram de seu nível máximo, 1. 

Marink Martins


Espera-se que quanto mais importante e maior for um determinado ativo, maior será o escrutínio por parte dos analistas envolvidos. Assim, é natural esperar que empresas cujas capitalização de mercado supere 1 trilhão de dólares se comporte de forma menos volátil exibindo assim uma maior previsibilidade.

Estaria o mercado de ações norte-americano precificado de forma a refletir um pouso suave perfeito? Penso que este é o questionamento do momento.

Tomo emprestado o título de hoje de um email que recebo diariamente do serviço Zero Hedge Premium -- serviço que assino (junto com outros) com objetivo de agregar valor para estes comentários de mercado. Neste, a casa de análise nos apresenta diversos gráficos ilustrando a semelhança do momento atual na bolsa americana com o ocorrido em outras...

www.myvol.com.br