Esta é a pergunta feita por Ben Carlson, analista da Rithholtz Wealth Management, ao apresentar uma série de gráficos estonteantes referentes a performance dos índices S&P 500 e Nasdaq 100 ao longo da última década. Pois veja só:

Dentre os comentários pós-mercado que ouvi nesta segunda-feira, o que mais me chamou a atenção foi feito por Mike Wilson, estrategista chefe da área de renda variável do Morgan Stanley. Wilson nos chama atenção ao "mini-ciclo" de mercado em que há um período em que os agentes se concentram em papéis mais líquidos, com maior peso nos índices, em...

Neste vídeo, o Marink fala sobre uma peculiaridade na relação de P/L, do S&P 500, sobre uma iminente elevação na Volatilidade e, ainda, sobre uma nova tecnologia da empresa de bicicleta ergométrica com conectividade -- Peloton!

Os mercados caem nesta segunda-feira ao redor do mundo. Não se trata de uma queda expressiva, mas sim, uma que exibe -- pelo menos no momento em que escrevo -- uma maior correlação global. E CORRELAÇÃO foi o tema que explorei em meus vídeos e textos na última semana. Em suma, argumentei que a correlação setorial de 5...

Neste vídeo, o Marink discute sobre a possibilidade de exaustão desse modelo amplamente utilizado no mundo corporativo que, nos EUA, é chamado de UPOD - "under promiss, over deliver".

Neste vídeo, o Marink aproveita a vista da Lagoa Rodrigo de Freitas, na cidade do Rio de Janeiro, para fazer uma correlação sobre os principais setores e identificar os pontos de virada nos mercados.

Há tempos os americanos adotaram o lema UPOD ("under promiss -- over deliver"). Traduzindo: prometa pouco e surpreenda! Esse não é só um lema de Wall Street, mas algo que faz parte da cultura. Afinal, surpreender positivamente é algo que é quase sempre bem vindo. Contudo, em se tratando do mundo financeiro, a cultura UPOD tende a culminar no...

Neste vídeo, o Marink compartilha a visão de estrategistas sobre o mais recente impasse na OPEP que contribuiu para uma retração nos preços no início desta semana.


No vídeo desta semana, o Marink busca desconstruir a tese de que a liquidez e a taxa de juros mais baixa são os fatores responsáveis pela exuberância observada nos mercados.