Alexandria Ocasio-Cortez e o argumento da Gentrificação

17/02/2019

Nos últimos dias o assunto dominante na mídia internacional foi a desistência da Amazon de construir uma segunda sede no Queens, em Nova York. 
AOC comemorou enquanto muitos se mostraram decepcionados e preocupados. 

Em entrevista para a CNBC, o grande parceiro de Warren Buffet, Charlie Munger, disse que os estados de Nova York e da California caminham em uma direção preocupante, em oposição ao percorrido por estados como a Florida e o Hawaii.

Mas, por trás da desistência da Amazon que optou por não entrar em uma briga política com parte dos moradores, há o polêmico argumento da Gentrificação.

O receio de que a chegada da Amazon iria elevar os salários e os aluguéis, tornando insustentável a presença de moradores de baixa renda parece ter mobilizado muitos dos seguidores da deputada de 29 anos que hoje é a representante do 14º distrito de Nova York na câmara dos deputados norte-americana.

Alexandria é hoje representante de uma tendência que deverá transformar a eleição presidencial de 2020 nos EUA em uma ainda mais polarizada do que aquela vista em 2016.

Abrir mão da vinda de uma empresa que iria gerar um adicional de receita tributária estimada em US$27 bi e milhares de empregos me parece impensável.

O tema certamente divide opiniões. O capitalismo não precisa ser selvagem. Mas, dito isso, ele não deve ser freado de forma a impedir o desenvolvimento e aniquilar o "animal spirit" que faz com que hoje o mundo seja muito, mas muito melhor do que ontem. 

Marink Martins