Buscando detectar se há bolha nas bolsas dos EUA através de dois gráficos!

15/07/2018

Você sabe aquela situação em que o preço dos imóveis em uma determinada região sobe em um ritmo mais acelerado do que seus respectivos aluguéis?

Bem, vivemos tal situação no Rio de Janeiro durante os anos que antecederam as olimpíadas. Todos sabiam que, em algum momento, um ajuste seria necessário. Ou o preço dos imóveis cairia, ou o valor dos aluguéis subiria; ou, um pouco dos dois. Afinal, esta é uma relação que tende a reverter à sua média histórica. E se incorporarmos a esta análise o comportamento da taxa básica de juros, aí temos uma boa estrutura para avaliarmos em que estágio no ciclo econômico se encontra o mercado imobiliário.

Assim, o gráfico abaixo ilustrando a relação "Price-to-Rent" (Preço/Aluguel) nos EUA nos mostra que o mercado imobiliário americano está longe de exibir um comportamento que pode ser classificado como uma "bolha".  

Busco inspiração nesta relação presente no mercado imobiliário dos EUA para promover uma análise similar, mas desta vez direcionada ao mercado acionário daquele país. 

Argumento aqui que há uma analogia a ser feita entre a relação PREÇO/ALUGUEL no mercado imobiliário com a relação entre o patrimônio consolidado das famílias americanas e a renda anual consolidada das mesmas. Algo tipo um índice Preço/Lucro (P/L), sendo que no lugar do Preço colocaríamos o patrimônio consolidado das famílias americanas. Já no lugar do Lucro consolidado das empresas, colocaríamos a renda consolidada das famílias. 

Tal patrimônio consolidado consiste, em grande parte, de imóveis e ativos financeiros. Dentre os ativos financeiros destaca-se o valor das ações detidas por cidadãos americanos; algo que vem se valorizando de forma expressiva ao longo dos últimos 9 anos.

Embora a relação entre patrimônio e renda seja significativamente mais complexa do que aquela discutida aqui para o mercado imobiliário, não podemos descartar a presença de forças que contribuem para uma certa reversão à média.

E, se este for o caso, o gráfico abaixo ilustrando tal relação -- patrimônio ("net worth") e renda anual ("disposable income") mostra-se um tanto assustador!

À primeira vista o gráfico acima é sugestivo de uma enorme BOLHA no mercado acionário americano. Por que afirmo isso? Ora! O gráfico ilustra um patrimônio que sobe de forma acelerada sem o respectivo aumento na renda daqueles que dão sustentação a economia do país.

Entretanto, como tudo em economia, as coisas não são tão diretas e tão simples assim. Imóveis e ações são bens distintos em diversos aspectos. Além disso, devemos levar em consideração fatores como ganhos de produtividade das empresas emissoras de tais ações e, mais importante, em minha opinião, a crescente desigualdade na economia americana.

Sabe-se que os ganhos de produtividade registrados pelo setor corporativo americano, como um todo, são declinantes.

Já a desigualdade em termos de renda anual por família só faz crescer. De acordo com dados publicados pelo OECD, 10% das famílias americanas detém 79,5% do patrimônio do país. Pior ainda (para os excluídos) é o fato de que 1% das famílias detém 42% do patrimônio do país. Observe a tabela abaixo:

Este tipo de concentração de renda distorce de forma significativa análises como esta ilustrada no gráfico mais acima. Afinal, se excluirmos este 1% mais rico, a situação patrimonial norte-americana muda de forma absurda.

Um outro fator, dentre inúmeros a serem observados para uma análise mais robusta, está relacionada ao fenômeno conhecido como O VENCEDOR LEVA TUDO. No mundo corporativo é cada vez mais comum vermos um único participante abocanhar uma parcela significativa das vendas totais relacionadas ao seu segmento de atuação.

Para finalizar, temos também nos últimos anos um declínio significativo no número de empresas listadas nos EUA. De 1995 para 2015, o número de empresas listadas caiu de 8,090 para 4,331. Em outras palavras, há um menor número de emissores para absolver todo o excesso de liquidez gerado nos últimos anos.

Sendo assim, devemos levar em consideração que a dinâmica norte-americana é uma cada vez mais desigual em diversos sentidos. Há tempos, o que realmente importa para respondermos se há ou não uma bolha na bolsa norte-americana é o que acontece com os 10% mais ricos da população, e provavelmente, com as empresas líderes em seus respectivos segmentos. O resto, infelizmente, parece só servir para distorcer as médias.

Marink Martins

Em Wall Street, como sempre, paira uma dúvida em relação à dinâmica da economia norte-americana. Os mais otimistas afirmam que a economia dos EUA se encontra em expansão e que a maior abrangência vista na bolsa de valores (diversos setores estão performando relativamente bem) é um claro sinal de que há pela frente um longo caminho de crescimento.

Amantes do cinema hão de lembrar do personagem Biff Tannen do filme "De volta para o futuro". Na segunda versão do filme, o vilão se apropria de informações do futuro que se provam extremamente lucrativas no passado. Pensando nisso, imagine se alguém te dissesse na virada do ano que, em meados de maio deste ano de 2024, estes seriam os...

Não há dúvida de que a primeira hora do pregão desta quarta-feira será marcada por uma queda expressiva no preço das ações da Petrobras. Não há dúvida de que a intervenção direta do presidente Lula em uma empresa de capital misto transmite um péssimo sinal no que diz respeito ao tema governança corporativa no Brasil.

www.myvol.com.br