Veja porque a participação brasileira na carteira MSCI EM (mercados emergentes) deve cair nos próximos meses

07/02/2019

Há semanas venho alertando aos assinantes MyVOL a respeito de uma iminente alteração na composição da carteira que compõe o índice MSCI Emerging Markets Index.

Trata-se aqui de um aumento na participação das ações listadas na China Continental, também conhecida como "A-Shares". Ao longo do ano de 2018 foi feita uma inclusão parcial destas em caráter experimental.

O experimento foi um sucesso e atualmente há em andamento uma consulta a respeito de um aumento da participação que, se aprovado, deverá elevar o peso destas ações dos atuais 0,71% do índice para um patamar de 2,8% em agosto/2019 e 3,4% em maio/2020.

Observe através do gráfico abaixo como um eventual aumento na alocação das "A-shares" impacta a alocação destinada aos demais países:

COMPOSIÇÃO ATUAL DA CARTEIRA MSCI EM:

Como podemos observar, tal alteração, embora gradual, faz com que a participação do Brasil na carteira MSCI EM caia dos atuais 5,8% para 5,4% em um prazo de um pouco mais de 12 meses.

Observe que isso ocorre justamente em um momento em que a mídia financeira vem clamando pela volta dos investidores estrangeiros para a bolsa brasileira.

Em um passado distante, durante os anos 90, em um período em que as ações da Telebras dominavam as negociações na Bovespa, a participação brasileira na carteira MSCI EM chegou a superar o patamar de 13%. Desde então, o crescimento chinês tem sido avassalador.

Enquanto o mercado de capitais brasileiro patina com um pequeno número de IPOs, o mercado chinês se mantém em ebulição com investimentos em "private equity" que chegam a superar o volume investido em países desenvolvidos.

Agora, se você é um investidor diversificado que busca fugir do perigoso viés cognitivo, conhecido em inglês como "home country bias", você deve considerar o Global Pass, uma carteira de investimentos internacional que eu gerencio através da Inversa Publicações. Para mais informações, basta clicar aqui: Acesse o Global Pass.

Iniciamos este projeto em agosto do ano passado, em um momento em que os mercados estavam esticados. Mesmo assim, a carteira Global Pass registra até o momento um retorno de quase 7% em dólares comparado com um retorno para o mesmo período de -2% para o índice S&P 500.

Uma das razões para esta outperformance é justamente um posicionamento estratégico, buscando uma alocação global eficiente.

Tire proveito desta iminente alteração na carteira MSCI EM. Basta você assinar o Global Pass e eu irei te ajudar nesta jornada global.

Para maiores informações a respeito das alterações na carteira MSCI, clique aqui.

Marink Martins