Crescem as preocupações com a economia europeia

22/06/2018

Muito se falou ao longo dos últimos meses sobre um possível retorno de pressões inflacionárias ao redor do mundo.

Um dos argumentos mais interessantes neste sentido é o fato de que os chineses passaram a se preocupar com questões como poluição, qualidade de vida, e outros fatores anteriormente ignorados. Por muitos anos, a orientação do governo central chinês que era passada aos líderes das províncias era algo tipo: "produza o máximo possível". Isto já não é mais o caso, e as consequências desta nova atitude já podem ser vistas na precificação de algumas commodities. Assim, os chineses que passaram 15 anos "exportando deflação" para o resto do mundo, deixariam de fazer isso.

Entretanto, a retórica em torno da inflação está mudando. E a razão para isso parece estar associada ao fraco crescimento econômico registrado na Europa.

Já se discute a respeito de uma intensificação dos problemas na Europa. A diferença entre as taxas de juros da Alemanha e Itália volta a preocupar pelo fato de projetar uma situação de insustentabilidade para a moeda europeia.

Se, de fato, voltarmos a conviver com um sentimento de aversão a risco na Europa, o mais provável é que o FED mude sua trajetória no que diz respeito a política de juros norte-americana.

Neste caso, é possível vermos a taxa de juros dos títulos de 10 anos dos EUA recuar para patamares mais próximos de 2%, invertendo a curva de juros.

E como isso impactaria a bolsa brasileira?

Desculpem-me por não oferecer aqui uma resposta objetiva. Eu, de fato, não sei. Entretanto, tal situação, mesmo que de forma turbulenta no início, poderá reduzir a atratividade da moeda americana e favorecer investimentos em mercados emergentes.

A principal mensagem aqui é que devemos voltar a olhar para a Europa com mais cuidado. Em particular, devemos monitorar de perto a taxa de juros de 10 anos dos títulos italianos. Você poderá fazer isso através de uma consulta ao site Bloomberg e/ou da CNBC.

Um bom fim de semana,

Marink Martins

No início de 2021 a bolsa de valores local estava em festa com empresas como Magazine Luiza, Rede D´Or e B3 registrando uma capitalização de mercado superior a 100 bilhões de reais. Ainda que houvesse um claro desconforto com o "valuation" destas empresas, poucos tinham coragem de sugerir a venda destes ativos. Após uma década em que o mundo dos...

Para grande parte da comunidade investidora brasileira, todas as mazelas que afligem a nossa bolsa são oriundas de incertezas fiscais. Ainda que não haja dúvida a respeito de nossa fragilidade fiscal, há outros fatores globais que vem contribuindo para um certo desdém em relação aos ativos brasileiros.

A expressão "The Winner Takes It All" (O Vencedor Leva Tudo!) é velha. Foi título de um dos maiores sucessos da banda sueca ABBA em seu álbum de 1980. Já no mercado de ações foi ganhando tração na medida em que foram surgindo "platform companies" como America Online (anos 90), Yahoo, Amazon Web Services, Google, Facebook, LinkedIn (Microsoft),...

www.myvol.com.br