Disrupção Geopolítica

03/05/2018

Os EUA enviaram uma super delegação à China que inclui o secretário do tesouro, Steven Mnuchin, o secretário de comercio, Wilber Ross, o diretor do conselho econômico Larry Kudlow, o representante de comercio exterior, Robert Lighthizer, e finalmente, o conselheiro Peter Navarro. Serão dois dias de negociações intensas, e do outro lado da mesa estarão o presidente chinês, Xi Jinping, o vice presidente, Wang Qishan e o influente ministro da econômia, Liu He.

Se em 1971, uma visita secreta do diplomata americano Henry Kissinger trouxe a China para mais perto, existem boas chances de que a visita atual faça o oposto.

Na pauta: Fazer com que a China desista do projeto Made in China 2025.

O que é o projeto Made in China 2025? Trata-se de um plano ambicioso de transformar a China em um país auto-sustentável, líder na utilização de inteligência artificial e outras tecnologias de ponta. O governo chinês está dedicando mais de US$500 bilhões nesta iniciativa transformacional.

Os chineses, já antecipando as demandas americanas, já mandaram seu recado de que demandas relacionadas a tal iniciativa são inegociáveis.

Para o chinês o palco está armado para mostrar ao mundo a sua capacidade de liderança global.

Os Americanos, por sua vez, já têm um plano B com data marcada: Até a terceira semana de maio, irão impor sanções a investimentos chineses nos EUA. O caso ZTE foi só um "appetizer" sobre o que está por vir.

Já para o resto do mundo, existe uma elevada probabilidade de que um desfecho desfavorável tome a forma de uma guerra fria comercial com potencial de marcar o fim do longo período DES-inflacionário iniciado nos anos 80.

Marink Martins

Espera-se que quanto mais importante e maior for um determinado ativo, maior será o escrutínio por parte dos analistas envolvidos. Assim, é natural esperar que empresas cujas capitalização de mercado supere 1 trilhão de dólares se comporte de forma menos volátil exibindo assim uma maior previsibilidade.

Estaria o mercado de ações norte-americano precificado de forma a refletir um pouso suave perfeito? Penso que este é o questionamento do momento.

Tomo emprestado o título de hoje de um email que recebo diariamente do serviço Zero Hedge Premium -- serviço que assino (junto com outros) com objetivo de agregar valor para estes comentários de mercado. Neste, a casa de análise nos apresenta diversos gráficos ilustrando a semelhança do momento atual na bolsa americana com o ocorrido em outras...

www.myvol.com.br