Disrupção Geopolítica

03/05/2018

Os EUA enviaram uma super delegação à China que inclui o secretário do tesouro, Steven Mnuchin, o secretário de comercio, Wilber Ross, o diretor do conselho econômico Larry Kudlow, o representante de comercio exterior, Robert Lighthizer, e finalmente, o conselheiro Peter Navarro. Serão dois dias de negociações intensas, e do outro lado da mesa estarão o presidente chinês, Xi Jinping, o vice presidente, Wang Qishan e o influente ministro da econômia, Liu He.

Se em 1971, uma visita secreta do diplomata americano Henry Kissinger trouxe a China para mais perto, existem boas chances de que a visita atual faça o oposto.

Na pauta: Fazer com que a China desista do projeto Made in China 2025.

O que é o projeto Made in China 2025? Trata-se de um plano ambicioso de transformar a China em um país auto-sustentável, líder na utilização de inteligência artificial e outras tecnologias de ponta. O governo chinês está dedicando mais de US$500 bilhões nesta iniciativa transformacional.

Os chineses, já antecipando as demandas americanas, já mandaram seu recado de que demandas relacionadas a tal iniciativa são inegociáveis.

Para o chinês o palco está armado para mostrar ao mundo a sua capacidade de liderança global.

Os Americanos, por sua vez, já têm um plano B com data marcada: Até a terceira semana de maio, irão impor sanções a investimentos chineses nos EUA. O caso ZTE foi só um "appetizer" sobre o que está por vir.

Já para o resto do mundo, existe uma elevada probabilidade de que um desfecho desfavorável tome a forma de uma guerra fria comercial com potencial de marcar o fim do longo período DES-inflacionário iniciado nos anos 80.

Marink Martins

No início de 2021 a bolsa de valores local estava em festa com empresas como Magazine Luiza, Rede D´Or e B3 registrando uma capitalização de mercado superior a 100 bilhões de reais. Ainda que houvesse um claro desconforto com o "valuation" destas empresas, poucos tinham coragem de sugerir a venda destes ativos. Após uma década em que o mundo dos...

Para grande parte da comunidade investidora brasileira, todas as mazelas que afligem a nossa bolsa são oriundas de incertezas fiscais. Ainda que não haja dúvida a respeito de nossa fragilidade fiscal, há outros fatores globais que vem contribuindo para um certo desdém em relação aos ativos brasileiros.

A expressão "The Winner Takes It All" (O Vencedor Leva Tudo!) é velha. Foi título de um dos maiores sucessos da banda sueca ABBA em seu álbum de 1980. Já no mercado de ações foi ganhando tração na medida em que foram surgindo "platform companies" como America Online (anos 90), Yahoo, Amazon Web Services, Google, Facebook, LinkedIn (Microsoft),...

www.myvol.com.br