Entenda o impacto da guerra comercial no índice S&P 500

02/08/2018

Conforme mencionado inúmeras vezes por aqui, a guerra comercial sino-americana está somente em seu início. Sabe-se que, por trás da imposição de tarifas, há um interesse norte-americano de soberania nacional de conter os avanços chineses na área de tecnologia. Em particular, a iniciativa dos EUA, muito influenciada pelo idealismo do Diretor do "National Trade Council", Peter Navarro, é uma de desmantelar o projeto chinês conhecido como "Made in China 2025" que promete alçar o país em uma nova era, dominada por avanços na área de inteligência artificial.

Após rumores de que líderes de ambos os governos estavam caminhando em direção a uma conciliação, Trump elevou o tom e mencionou a possibilidade de elevar as tarifas sobre produtos importados da China de 10% para 25%.

O curioso é que tudo isso ocorre justamente em um momento em que o presidente americano se sente pressionado pelas investigações internas a respeito de manipulação russa nas eleições que o levaram ao poder em 2016. Ontem, em mais um de seus "tweets" ordenou que o procurador geral da república, Jeff Sessions, demitisse Robert Mueller, responsável pelo processo investigativo, alegando que este está em uma posição conflitante que o deixa incapaz de conduzir tal tarefa com isenção.

Bem, e qual seria o impacto desta intensificação nas tensões comerciais no que diz respeito ao comportamento das bolsas?

Um relatório recém-publicado pelo Banco Goldman Sachs estima que o lucro projetado consolidado (12 meses) para as empresas que compõem o índice S&P 500 é de US$172,00. Se considerarmos que o índice está negociando por volta de 2.800 pontos, temos uma relação de (Preço/Lucro Projetado) de 16,5; um patamar razoável.

Agora, diante desta intensificação, o banco americano estima que tal lucro projetado poderá cair para US$145,00, fruto de maiores incertezas econômicas que afetarão diretamente as margens de lucros das empresas envolvidas.

Caso isso de fato ocorra, aquela relação de (Preço/Lucro Projetado) se aproxima de 20x, um patamar que certamente tira o sono de muitos gestores globais.

Por tudo isso, você investidor, deve buscar ficar sintonizado em tudo que acontece nesta batalha que tem tudo para ficar um pouco mais dramática a medida que nos aproximamos da data das eleições do "mid-term" norte-americano que deverá ocorrer no dia 6 de novembro deste ano.

Marink Martins


Não há dúvidas que os principais mercados globais estão em "Risk On"! As ações norte-americanas registram um recorde atrás do outro e o ETF associado a "momentum" (MTUM) é o grande destaque. Já no velho continente, apesar da desaceleração da indústria alemã, as ações de 11 conglomerados -- conhecidas hoje como "Granolas" -- também não param de se...

Ao longo dos últimos meses, venho chamando atenção do leitor a respeito da relação entre o agregado monetário M2 e indicadores econômicos, como o PIB Nominal e o próprio índice de ações do país.

www.myvol.com.br