Fala-se sobre o risco italiano mas o risco turco preocupa mais!

29/05/2018

A Itália volta à cena global, com rumores de que sua instabilidade política pode vir a representar uma séria ameaça a unificação europeia e a continuidade de sua moeda única: o euro.

Não há dúvidas que o longo período de manipulação exercido pelo Banco Central Europeu (BCE) provocou inúmeras distorções na região. Para você ter uma ideia, 90% dos títulos corporativos italianos rendem atualmente uma taxa inferior àquela paga pelo título soberano do país; uma situação bizarra que não seria possível se não fosse pelas compras de títulos de renda fixa maciças efetuadas pelo BCE.

Dito isso, é importante ressaltar que houve uma importante e surpreendente transferência do risco associado a investir na Itália para o próprio banco central europeu; este, financiado por toda a comunidade europeia.

Atualmente, a Itália apresenta um superávit de 3,5% em conta corrente que junto com um superávit fiscal de 2% do PIB coloca o país em uma situação mais confortável. Além disso, as intervenções maciças do BCE permitiram um alongamento da dívida do país que hoje está, em grande parte (72%), nas mãos de italianos. Conforme mencionado, o risco italiano foi TRANSFERIDO!!!

Por um outro lado, especialistas dizem que nunca houve momento melhor para a Itália abandonar o euro. Com os índices acima, a necessidade de financiamento externo do país é de fato pequena.

Mais preocupante, porém, é a situação da Turquia.

Após um período de crescimento econômico expressivo, o país passou a registrar um enorme déficit em conta corrente que vem deixando o país vulnerável, alvo de especulação global relacionado a um possível calote.

Os bancos mais expostos a uma situação adversa turca são os bancos BBVA da Espanha e o Unicredit da Itália; ambos com exposição direta ao mercado bancário turco.

Por tudo isso, temos o retorno de um antigo problema. Ao contrário dos bancos americanos que foram recapitalizados, os europeus continuam vulneráveis e, com isso, colocarão uma pressão ainda maior no Banco Central Europeu.

Para finalizar, ficamos com a pergunta: conseguirá Mario Draghi (presidente do BCE) restabelecer a calmaria com a sua famosa retórica "We will do whatever it takes!" (faremos o que for necessário)?

Marink Martins

No início de 2021 a bolsa de valores local estava em festa com empresas como Magazine Luiza, Rede D´Or e B3 registrando uma capitalização de mercado superior a 100 bilhões de reais. Ainda que houvesse um claro desconforto com o "valuation" destas empresas, poucos tinham coragem de sugerir a venda destes ativos. Após uma década em que o mundo dos...

Para grande parte da comunidade investidora brasileira, todas as mazelas que afligem a nossa bolsa são oriundas de incertezas fiscais. Ainda que não haja dúvida a respeito de nossa fragilidade fiscal, há outros fatores globais que vem contribuindo para um certo desdém em relação aos ativos brasileiros.

A expressão "The Winner Takes It All" (O Vencedor Leva Tudo!) é velha. Foi título de um dos maiores sucessos da banda sueca ABBA em seu álbum de 1980. Já no mercado de ações foi ganhando tração na medida em que foram surgindo "platform companies" como America Online (anos 90), Yahoo, Amazon Web Services, Google, Facebook, LinkedIn (Microsoft),...

www.myvol.com.br