Fala-se sobre o risco italiano mas o risco turco preocupa mais!

29/05/2018

A Itália volta à cena global, com rumores de que sua instabilidade política pode vir a representar uma séria ameaça a unificação europeia e a continuidade de sua moeda única: o euro.

Não há dúvidas que o longo período de manipulação exercido pelo Banco Central Europeu (BCE) provocou inúmeras distorções na região. Para você ter uma ideia, 90% dos títulos corporativos italianos rendem atualmente uma taxa inferior àquela paga pelo título soberano do país; uma situação bizarra que não seria possível se não fosse pelas compras de títulos de renda fixa maciças efetuadas pelo BCE.

Dito isso, é importante ressaltar que houve uma importante e surpreendente transferência do risco associado a investir na Itália para o próprio banco central europeu; este, financiado por toda a comunidade europeia.

Atualmente, a Itália apresenta um superávit de 3,5% em conta corrente que junto com um superávit fiscal de 2% do PIB coloca o país em uma situação mais confortável. Além disso, as intervenções maciças do BCE permitiram um alongamento da dívida do país que hoje está, em grande parte (72%), nas mãos de italianos. Conforme mencionado, o risco italiano foi TRANSFERIDO!!!

Por um outro lado, especialistas dizem que nunca houve momento melhor para a Itália abandonar o euro. Com os índices acima, a necessidade de financiamento externo do país é de fato pequena.

Mais preocupante, porém, é a situação da Turquia.

Após um período de crescimento econômico expressivo, o país passou a registrar um enorme déficit em conta corrente que vem deixando o país vulnerável, alvo de especulação global relacionado a um possível calote.

Os bancos mais expostos a uma situação adversa turca são os bancos BBVA da Espanha e o Unicredit da Itália; ambos com exposição direta ao mercado bancário turco.

Por tudo isso, temos o retorno de um antigo problema. Ao contrário dos bancos americanos que foram recapitalizados, os europeus continuam vulneráveis e, com isso, colocarão uma pressão ainda maior no Banco Central Europeu.

Para finalizar, ficamos com a pergunta: conseguirá Mario Draghi (presidente do BCE) restabelecer a calmaria com a sua famosa retórica "We will do whatever it takes!" (faremos o que for necessário)?

Marink Martins

Em épocas em que a moeda de um determinado país está forte, é quase certo que o consumo dos seus cidadãos tende a crescer de forma significativa, até mesmo gerando algumas situações que podem ser vistas como abusivas. Muitos brasileiros hão de se lembrar de abusos observados em aeroportos internacionais durante aquele período ao redor de 2010 em...

Espera-se que quanto mais importante e maior for um determinado ativo, maior será o escrutínio por parte dos analistas envolvidos. Assim, é natural esperar que empresas cujas capitalização de mercado supere 1 trilhão de dólares se comporte de forma menos volátil exibindo assim uma maior previsibilidade.

Estaria o mercado de ações norte-americano precificado de forma a refletir um pouso suave perfeito? Penso que este é o questionamento do momento.

www.myvol.com.br