Alterações no índice MSCI EM poderão frustrar o "bull market" brasileiro!

28/02/2019

É nesta quinta-feira, dia 28/2, que o comitê da MSCI decide a respeito do aumento da participação das ações listadas na China Continental (as "A-shares") na carteira de mercados emergentes da MSCI. A aposta é que tal aumento será aprovado e será implementado ao longo dos próximos meses.

Com relação a este assunto tenho duas mensagens a transmitir ao assinante MyVOL:

  • Não tenho dúvidas de que a participação das ações chinesas na carteira MSCI EM irá subir -- seja agora ou mais para o fim de 2019. Há uma elevada probabilidade de que a decisão de hoje seja favorável a este movimento.

Acima temos um gráfico preparado pela MSCI indicando a alteração do peso atribuído a cada país devido aos rebalanceamentos programados. Observe que há uma expectativa de queda do peso do Brasil de 5,8% para 5,5% nos próximos 5 meses. Parece pouco, mas não é bem assim. Leia o texto até o final.

  • Tal aumento na participação das ações chinesas ("A-shares"), junto com a expectativa de aumentos para as ações sauditas e argentinas irão provocar uma realocação que poderá resultar em vendas de ações brasileiras. Estimo que tal impacto ocorrerá ao longo dos próximos 5 meses e poderá representar um impacto negativo de US$5 bilhões - aproximadamente 1 bilhão de dólares por mês.
Como cheguei a este número?

Uma pesquisa junto a MSCI aponta para um volume de US$1,6 trilhões em ativos atrelados ao índice MSCI Emerging Markets Index. Só de ETFs linkados a este índice temos aproximadamente US$180 bilhões em AUM, com destaque para os seguintes ETFs: EEM, VWO, IEMG.

Atualmente, conforme ilustrado no gráfico acima, o Brasil conta com uma participação de 5,8% da carteira - o que corresponde a US$93 bilhões.

Considerando que a sua participação na carteira deverá cair de 5,8% para 5,5% nos próximos 5 meses (novamente, de acordo com o gráfico acima), tal redução corresponde a 0,3% de 1,6 trilhões de dólares, ou 4,8 bilhões de dólares!!!

E para você que anda muito otimista e está cético com relação a minha análise, complemento afirmando que a reclassificação das ações da Argentina, de "frontier market" para "emerging market", junto com a inclusão das ações da Arábia Saudita também contribuem para a redução do peso dos demais países na carteira. 

Segue a evidência deste evento através de um comunicado da própria MSCI.

Observe pela tabela acima (retângulo vermelho) que, dependendo do sincronismo do processo de rebalanceamento, o impacto sobre os demais emergentes tende a ser negativo, variando entre US$67 e US$127 bilhões de dólares.

Sendo assim devo te informar o seguinte (por mais que você não goste):

TUDO INDICA QUE O MUNDO ESTÁ MAIS SUB-ALOCADO EM CHINA DO QUE EM BRASIL!!!

Não se deixe se levar pelo viés conhecido como home country bias

Seja profissional. Seja frio. Faça conta. O MyVOL está aqui justamente para te ajudar nisso.

Marink Martins