Perspectiva, apetite e paciência

14/08/2018

Como em quase tudo na vida, é tudo uma questão de perspectiva, de apetite ao risco, e de paciência.

Esta afirmação pode levar o leitor a pensar que basta ter paciência que eventualmente tudo irá dar certo. Mas, na verdade, a paciência aqui pode também estar associada a uma tolerância necessária para se evitar situações que podem se tornar extremamente complicadas.

Pensando no mercado de ações, não é difícil observar comentaristas que apontam para um determinado momento indicando uma certa obviedade na avaliação de uma determinada situação ou de um determinado ativo. Quem nunca ouviu alguém falando que as ações da Petrobras a R$5,00 estavam de graça? Ou, que o bitcoin a US$20.000 era uma insanidade!

O fato é que a cada momento há sempre uma montanha de preocupações a ser superada. É a famosa expressão em inglês conhecida como "wall of worry".

Pergunte ao seu comentarista favorito se a Petrobras a R$20,00 é uma pechincha! Pergunte se a cotação de 1,14 dólares para um euro é alta ou é baixa! Pergunte se o preço do petróleo a US$65/barril é justo ou não!

Bem, como os valores mencionados acima estão próximos aos preços atuais, não há como afirmar com veemência alguma em uma direção. Qualquer ultra-convicção neste momento beira o charlatanismo, uma vez que habitamos um mundo complexo que, por natureza, é altamente imprevisível.

Dito isso, estaria eu aqui afirmando não haver oportunidades de ganhos no mercado? Estaria eu aqui afirmando que tudo é aleatório?

Definitivamente longe disso. Há oportunidades em diversas frentes. Você pode atuar em busca de taxas no mercado através de operações com opções. Você pode surfar ondas de valorização ou desvalorização de um ativo tomando como base estratégias de momentum. Você pode também montar uma carteira de longo prazo com base em uma estratégia com o foco em valor, seguindo os velhos princípios de Buffet.

Bem, você pode fazer muita coisa no mercado, mas seja qual for a trajetória escolhida, siga-a concebendo a possibilidade de que você poderá estar errado em sua escolha. E se isso acontecer, regule o tamanho de sua aposta para que um eventual erro não represente o fim de sua empreitada no mercado de capitais.

Lembre-se que para atuar no mercado de capitais é necessário o acesso a capitais. E, por isso mesmo, todo este esforço na acumulação de capitais é algo que deve merecer o maior respeito.

Tudo isso pode parecer óbvio, mas é comum, dentro de um mesmo ser, habitarem diversos "EUs". O "EU presente" que estrutura uma determinada operação frequentemente demanda um comprometimento de tempo e de capital tamanho que muitas vezes coloca em risco a conquista de diversos "EUs" do passado. Desenvolver um sistema de gerenciamento de risco é algo sofisticado. Não é à toa que instituições segregam tais funções - quem cuida do risco não é quem estrutura uma operação.

Finalizo este texto, retomando o caráter dual discutido em seu início, mas, de fato, explorando um tema de mercado.

Neste exato momento há quem acredite que a exuberância econômica dos EUA atingiu seu ápice no fim do segundo trimestre deste ano. De agora em diante, o caminho estaria aberto a uma desvalorização do dólar com repercussões extremamente positivas para os mercados emergentes - inclusive para o Brasil.

Por outro lado, há quem acredite justamente o oposto. Há quem ache que o problema da Turquia irá, eventualmente, conduzir a Itália a romper com a política do euro - algo que levaria a uma forte valorização do dólar e maior aversão a emergentes.

Da minha parte, opto por uma estratégia mais reativa na qual tento dançar conforme a música, mesmo que tal dança se dê com um certo atraso e de uma forma, às vezes, desengonçada.

Marink Martins


No início de 2021 a bolsa de valores local estava em festa com empresas como Magazine Luiza, Rede D´Or e B3 registrando uma capitalização de mercado superior a 100 bilhões de reais. Ainda que houvesse um claro desconforto com o "valuation" destas empresas, poucos tinham coragem de sugerir a venda destes ativos. Após uma década em que o mundo dos...

Para grande parte da comunidade investidora brasileira, todas as mazelas que afligem a nossa bolsa são oriundas de incertezas fiscais. Ainda que não haja dúvida a respeito de nossa fragilidade fiscal, há outros fatores globais que vem contribuindo para um certo desdém em relação aos ativos brasileiros.

A expressão "The Winner Takes It All" (O Vencedor Leva Tudo!) é velha. Foi título de um dos maiores sucessos da banda sueca ABBA em seu álbum de 1980. Já no mercado de ações foi ganhando tração na medida em que foram surgindo "platform companies" como America Online (anos 90), Yahoo, Amazon Web Services, Google, Facebook, LinkedIn (Microsoft),...

www.myvol.com.br