Sobre o "Mighty Dollar"!

13/07/2018

São 3 os preços que vem exercendo enorme influência nos mercados globais, mas, nos últimos meses, é o comportamento da moeda americana que vem ditando o rumo dos mercados. A forte alta do dólar já provocou estragos nos mercados acionários da Turquia, Argentina e Brasil.

Mais curioso, entretanto, é que isso ocorre justamente em um ano onde muitos esperavam que o "green back" iria em trajetória oposta. Afinal, no fim de 2017, havia uma intensa especulação em ativos potencialmente capazes de "desbancar", mesmo que parcialmente, a soberania do "Mighty Dollar". Os mais conservadores apostavam na valorização das commodities; em particular, o ouro. Já os "millenials", esses foram com sede na compra das cryptomoedas; aqui, destaque para o bitcoin.


Chegamos ao meio do ano, e é assustador o comportamento destes ativos. O bitcoin perdeu o seu ímpeto, e as commodities metálicas caem como se sinalizassem que o pior ainda está por vir. Observem o preço do cobre nos últimos meses: 

E o que dizer do ouro?

Se você é fã de Jim Rickards ou Peter Schiff, provavelmente está se questionando se um dia o preço deste nobre metal será digno de um voo tão alto como estes "profetas do apocalypse" afirmam!

Observem abaixo, o gráfico do ouro comparado com o comportamento de preço do título de 30 anos do tesouro norte-americano. Diante dos diversos estímulos quantitativos que foram colocados em prática nos últimos anos, ainda há uma enorme expectativa de que o ouro representará uma espécie de defesa patrimonial. Contudo, a iniciativa de Trump de impor tarifas alfandegárias sobre a importação de produtos chineses vem frustrando as expectativas daqueles que apostavam em um enfraquecimento da moeda americana. Com um dólar mais forte, as commodities - todas ainda denominadas em USD - sofrem!

Um bom fim de semana a todos!

Marink Martins


No começo da década passada, o mercado de ações norte-americano e adjacências balançaram em meio a ameaças vindas da Grécia, do Chipre, dos PIIGS, da falência do banco belga Dexia, etc. Curiosamente, um evento marcante como a eleição no parlamento europeu neste fim de semana parece não abalar, de forma alguma, a confiança do investidor americano....

Há definitivamente um temor no mercado local que vem fazendo com que o custo do endividamento do governo brasileiro cresça a um ritmo superior ao que se vem observando em outros cantos do mundo. O diferencial ("spread") de taxa entre um título de 10 anos brasileiro em relação a taxa dos "treasuries" de 10 anos só faz subir. Identificar a...

Ninguém questiona que o momento atual é de excepcionalismo norte-americano. Na virada do mês, o número de passageiros transitando pelo aeroporto de Atlanta foi um recorde. Os americanos estão viajando para a Europa e outros destinos como nunca fizeram antes. Já no mercado de ações, a Nvidia surpreendeu e conquistou o lugar de segunda empresa mais...

www.myvol.com.br