Uma auto-crítica construtiva!

29/06/2018

Gravei um vídeo no início de março que você pode assistir novamente aqui (ver abaixo). O seu título é certamente um ótimo material de marketing, uma vez que vimos uma derrocada nos mercados. Entretanto, o recoloco aqui com um intuito informativo após fazer uma autocrítica sobre o seu conteúdo. 

Fiquei feliz com o material e com a mensagem divulgada, mas, se você assisti-lo, verá que uma das principais previsões -- aquela de um dólar mais fraco -- não se materializou. Muito pelo contrário! O dólar se fortaleceu é tornou-se o pilar de sustentação da bolsa americana. Sua valorização provocou a saída de aproximadamente US$12 bi de mercados emergentes que foram, em parte, direcionados a ações de empresas de médio porte dos EUA, contribuindo assim para que o índice Russell 2000 registrasse novas máximas.

Além disso, de lá para cá muita coisa aconteceu. Nos EUA o grupo considerado "linha dura", representado por Peter Navarro, se saiu vitorioso frente aos globalistas, representado por Gary Cohn. A guerra comercial se intensificou. A Coréia do Norte já não representa mais o mesmo risco geopolítico de outrora.

Mesmo assim, o investidor deve manter-se focado nos 3 principais preços na economia:

  • O valor do dólar medido pelo índice DXY
  • O preço do petróleo
  • A taxa de juros dos títulos de 10 anos norte-americanos

E sobre os preços acima, fique atento ao preço do petróleo pois sua curva acabou de entrar em "backwardation"; isto é, o preço "spot" está mais alto do que os preços negociados no mercado futuro.

Já o valor do dólar, medido pelo índice DXY, permanece alto, gerando uma certa tensão nos mercados emergentes.

Quanto a taxa de juros dos títulos de 10 anos, ela recuou um pouco refletindo uma maior preocupação com o desaquecimento das economias globais; em particular, as economias europeias e a chinesa.

E por falar em China, sua bolsa entrou em um mercado baixista e sua moeda vem se desvalorizando, em um sinal de que o mercado espera uma reação chinesa à postura protecionista norte-americana.

Um bom fim de semana a todos,

Marink Martins

No início de 2021 a bolsa de valores local estava em festa com empresas como Magazine Luiza, Rede D´Or e B3 registrando uma capitalização de mercado superior a 100 bilhões de reais. Ainda que houvesse um claro desconforto com o "valuation" destas empresas, poucos tinham coragem de sugerir a venda destes ativos. Após uma década em que o mundo dos...

Para grande parte da comunidade investidora brasileira, todas as mazelas que afligem a nossa bolsa são oriundas de incertezas fiscais. Ainda que não haja dúvida a respeito de nossa fragilidade fiscal, há outros fatores globais que vem contribuindo para um certo desdém em relação aos ativos brasileiros.

A expressão "The Winner Takes It All" (O Vencedor Leva Tudo!) é velha. Foi título de um dos maiores sucessos da banda sueca ABBA em seu álbum de 1980. Já no mercado de ações foi ganhando tração na medida em que foram surgindo "platform companies" como America Online (anos 90), Yahoo, Amazon Web Services, Google, Facebook, LinkedIn (Microsoft),...

www.myvol.com.br