Uma narrativa favorável às ações da Petrobras

07/08/2018

Apesar do preço do petróleo ter se recuperado das mínimas registradas nos últimos anos, a retomada econômica do setor ainda deixa muitos de seus participantes ainda céticos quanto ao seu ímpeto e duração.

Primeiramente, os preços futuros projetados para o petróleo obedecem uma curva invertida, algo conhecido em inglês como "backwardation". Sendo um pouco mais específico, podemos observar através dos dados obtidos junto ao CBOE que, embora o preço futuro do barril de petróleo para setembro deste ano esteja sendo negociado a US$69,64, seu preço para dezembro de 2022 está em US$57,20.

No gráfico abaixo, a curva de preços futuros indicando diferentes níveis de preços para o barril de acordo com o prazo do contrato em meses.

Um outro fator que deixa muitos atuantes do setor ainda perplexos é o fato de que, mesmo após a recente valorização do preço do barril, os preços das ações de empresas ligadas ao setor de serviços continuam nos mesmos níveis daqueles registrados em 2016. Aqui estou falando de empresas como Schlumberger e Haliburton; empresas que no passado saíam na frente em situações de retomada econômica no setor petrolífero.

Um argumento para esta discrepância parece estar relacionado a expectativa de uma menor demanda futura por petróleo devido ao surgimento de carros elétricos. Há também a expectativa de que a produção de petróleo norte-americana oriunda da revolução do "shale oil and gas" deva continuar a todo vapor.

Contudo, há quem veja neste cenário uma ótima oportunidade para as empresas concentradas no setor de exploração e produção (E&P) de petróleo, como é o caso da Petrobras e de outras grandes petrolíferas.

Os últimos anos foram um tanto desafiadores para o setor, e com isso, o custo de capital para pequenos exploradores subiu. Assim há quem afirme que a capacidade produtora da indústria de "shale" dos EUA está diante de enormes desafios logísticos devido a vasta fragmentação deste segmento nos últimos anos.

Além disso, há estudos que apontam que durante os períodos em que a curva de petróleo se encontra invertida (em "backwardation") há uma significativa expansão das margens de lucro das empresas de E&P.

De certa forma, o resultado do segundo trimestre divulgado pela Petrobras já aponta nesta direção. O raciocínio aqui parece ser um que é contraintuitivo: quanto menos favorável parecer o futuro (curva de preços), menor tende a ser a concorrência (maior custo de capital) e os custos de produção ("lifting costs"). Tudo isso tende a se revelar através de maiores margens de lucro para os sobreviventes. E quem serão estes? As "Exxons" e as estatais do setor!

Marink Martins


Na Índia, Narendra Modi venceu, mas saiu com um gosto amargo. Seu partido, o BJP, não conquistou maioria na câmara dos deputados. Tal evento tem uma enorme importância para os investidores globais e, em um horizonte de tempo um pouco mais longo, poderá se provar como algo positivo para que o Brasil recupere (parcialmente) um espaço perdido para a...

Quem dormiu no ponto acordou em um novo "bull market"! Desta vez, entretanto, este mercado altista tem características globais puxando diversos índices; da Europa à China. Há indícios de que a "festa" vai até o dia 22 de maio -- data da divulgação do resultado do 1T24 da Nvidia. Assim, investir no mercado de ações brasileiro se mostra como uma...

www.myvol.com.br